A pressão do Tempo

A pressão do Tempo é algo da Matrix que nos é sensível. É aquele intervalo entre um segundo e outro no relógio, em que o ponteiro pende, preguiçoso, a trabalhar para fazer o fluxo do Grande Rio seguir seu curso. É como o ruído de uma máquina operadora de caixa nos supermercados, a cobrar cada preço, que nos urge a escolher que produto levar e qual deixar.

Os segundos, como medidas dos ciclos temporais, nos mostram como crescem e diminuem todas as coisas neste mundo virtual de aparências puras e verdades relativas. Quanto mais eternos os sentimentos, mais fugazes as suas manifestações. Esses mesmos segundos, segundo o que podemos supor, são contados a partir dos múltiplos de 12, em ressonância com todos os ciclos da Terra (ano, estações, horas e minutos). Mas, bem que poderiam também ser pulsos do número 6 (seis), o algarismo que representa os Enamorados no Livro de Thot (ou seja, no Tarô).

A pressão exercida pelos ciclos temporais incide, diretamente, sobre a pulsão para o Amor e Sexo, Nascimento e Morte. Durante tais ciclos é que nossa sensibilidade é tocada como um instrumento musical: sensações marcantes, como a da dor, do orgasmo, da apoteose mística, do alívio e da plenitude, se manifestam em tons bem definidos e inconfundíveis. Aproveitemos os dias, horas e segundos disponíveis. Não há garantias nesse mundo, e tudo é feito ao soar e ressoar da respiração.

Angeli amori non aiunt, eum agunt.

Anúncios

1 comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s